Share
 
 
 
Sexta-Feira, 19 de Outubro de 2018


Publicite no Portal HACCP

subscreva o nosso feed rss
Bookmark e Partilhar Facebook Twitter

Untitled Document
Registo
Login

Registe-se

Recuperar Password

Untitled Document
Pub
 
 
Untitled Document
Conteúdos
 Transporte de Bens Alimentares

 HACCP

 Alimentação

 Microbiologia Alimentar

 Higiene Alimentar

 Conservação de Alimentos

 Limpeza e Desinfecção

 Actualidades

 Agricultura Biologica

 Doenças de Oirgem Alimentar

 Rotulagem

 Organismos Geneticamente Modificados

 Produtos Tradicionais (DOP, IGP, ETG)

 Entidades de Segurança Alimentar

Mais Conteudos 

Conteúdos - Segurança Alimentar
 
 

Alimentação saudável para quê?

Uma alimentação equilibrada é um dos princípios básicos para uma vida saudável. Comer saudavelmente contribui para o bem-estar e ajuda a prevenir doenças crónico-degenerativas. O tabagismo, o stress, o sedentarismo, a ingestão excessiva de álcool e uma alimentação errada com grande quantidade de gordura, açúcar e pobre em fibras, são factores que propiciam o desenvolvimento de doenças como hipertensão arterial, obesidade, colesterol e triglicerídeos elevados, e a diabetes, todos eles principais factores de risco para o desenvolvimento de doença cardiovascular.


Dicas para uma boa alimentação

Uma alimentação adequada obtém-se pelo equilíbrio entre as porções ingeridas de cada grupo de alimentos, tal como sugerido pela Roda dos Alimentos. O grupo dos cereais e tubérculos, fornecedor de hidratos de carbono é o que mais deve contribuir para o total calórico ingerido, dando a preferência para os completos (integrais), mas sobretudo variando entre eles.

O grupo dos hortícolas deve estar presente em abundância nas duas refeições, tanto na sopa como no acompanhamento do prato; a sopa de legumes com adição de leguminosas deve ser o prato principal e/ou único a uma delas.

A fruta deve ser variada ao longo do dia, e para a maioria dos indivíduos três peças de fruta são suficientes. Os lacticínios, fornecedores de cálcio e magnésio devem ser ingeridos entre 500 a 750 ml / dia, dando a preferência aos meio-gordos ou até magros.

Do grupo do pescado, da carne e dos ovos é suficiente uma pequena porção e bastando a uma das refeições. Em relação à gordura adicionada deve ser azeite e em quantidades modestas.



Deve ser dada a preferência a alimentos naturais, naturalmente ricos em nutrimentos reguladores como as vitaminas, os sais minerais e as fibras. Os nutrimentos adicionados aos alimentos processados, com o objectivo de os enriquecer, são menos aproveitados do que os que se encontram nos alimentos naturais e essenciais.

O modo de confeccionar os alimentos deve ser variado de modo que os torne saborosos, mas sem grande adição de sal ou gordura, de modo a conservar o sabor próprio de cada alimento e a proporcionar uma digestão fácil.

Os alimentos devem ser distribuídos por cinco a seis refeições, de pequeno volume mas variadas e não repetidas. O valor energético ingerido deve ser adequado às características biológicas, às necessidades das fases sucessivas do ciclo de vida e à actividade física.

O consumo abusivo de bebidas alcoólicas, de alimentos engordurados ou açucarados, e a escassez de consumo de hortícolas, frutos e mesmo de leite e seus derivados são alguns dos principais erros na alimentação dos portugueses. Por outro lado, o grande volume de comida ingerido às poucas refeições que são feitas leva a um desequilíbrio nutricional e metabólico do organismo.

É sempre importante lembrar que a negligência com a saúde leva ao detrimento das funções orgânicas. Cuidados como praticar exercício físico e ter bons hábitos alimentares contribuem para viver melhor os anos futuros.

Os alimentos devem ser distribuídos por cinco a seis refeições, de pequeno volume mas variadas e não repetidas.

 


 


(*) Fonte: Médicos de Portugal

 
   

Ajuda