Share
 
 
 
Sexta-Feira, 24 de Novembro de 2017


Publicite no Portal HACCP

subscreva o nosso feed rss
Bookmark e Partilhar Facebook Twitter

Untitled Document
Registo
Login

Registe-se

Recuperar Password

Untitled Document
Pub
 
 
Untitled Document
Conteúdos
 Transporte de Bens Alimentares

 HACCP

 Alimentação

 Microbiologia Alimentar

 Higiene Alimentar

 Conservação de Alimentos

 Limpeza e Desinfecção

 Actualidades

 Agricultura Biologica

 Doenças de Oirgem Alimentar

 Rotulagem

 Organismos Geneticamente Modificados

 Produtos Tradicionais (DOP, IGP, ETG)

 Entidades de Segurança Alimentar

Mais Conteudos 

Conteúdos - Segurança Alimentar
 
 
Conservação pelo Calor
 
O tratamento dos alimentos pelo calor é uma das mais importantes técnicas de conservação.A acção do calor deve:
  • provocar a destruição da maioria ou da totalidade dos microrganismos susceptíveis de alterarem os alimentos
  • destruir a totalidade dos microrganismos patogénicos e a maior parte das suas toxinas
  • inactivar as enzimas dos alimentos responsáveis pelos fenómenos de autólise.

A acção germicida do calor deve-se à desnaturação das proteínas. Acima de determinada temperatura as proteínas coagulam e perdem as suas propriedades. As diferentes enzimas dos microrganismos são inactivadas progressivamente, implicando a redução do metabolismo até à perda da capacidade de reprodução, sendo, desta forma, diminuída a população de células microbianas desfavoráveis.

 
Acção do Calor Sobre as Leveduras
 
As leveduras têm uma fraca resistência ao calor. A pasteurização é suficiente para as destruir.

 
Acção do Calor Sobre os Bolores
 
A maioria apresenta uma sensibilidade ao calor idêntica à das leveduras. Os esporos de algumas espécies - géneros Penicillium, Aspergillus, Mucor - são mais resistentes mas destruídos à temperatura de esterilização.

 
Acção do Calor Sobre Bactérias Não-Esporuladas
 
A pasteurização destrói a maior parte das bactérias não esporuladas, não resistindo nenhuma a temperaturas de 100ºC durante 10 minutos. Alguns aspectos a considerar:
  • os cocos são geralmente mais resistentes que os bacilos
  • as espécies com temperaturas óptimas elevadas, termófilas, são mais resistentes ao calor do que as psicrófilas e as mesófilas
  • as bactérias capsuladas são mais resistentes
  • as bactérias quando agrupadas são mais resistentes do que quando estão isoladas.

 
Acção do Calor Sobre Bactérias Esporuladas
 
As formas vegetativas são mais facilmente destruídas pelo calor do que os esporos. A resistência dos esporos varia de uma espécie para outra, sendo alguns destruídos num minuto a 100ºC enquanto que outros necessitam de mais tempo. De uma forma geral, os esporos das espécies termófilas são mais resistentes ao calor.

 
Acção do Calor Sobre as Enzimas
 
As temperaturas utilizadas na destruição dos microrganismos são, de uma maneira geral, suficientes para inactivarem as suas enzimas e as dos alimentos. A maior parte das enzimas é inactivada a 80ºC. Contudo, as peroxidases, algumas proteínas e lipases podem resistir à temperatura da pasteurização.

 
Acção do Calor Sobre as Toxinas Microbianas
 
De acordo com a natureza da toxina, esta pode ou não ser inactivada pelo calor. Algumas, como a toxina estafilocócica, conservam as suas propriedades após o tratamento térmico (termorresistentes), enquanto que outras (termolábeis) são inactivadas (ex.: toxina botulímica).

 
Métodos de Conservação pelo Calor
 

 

 

 
   

Ajuda